O que é Bitcoin (BSV)

” Confiamos os nossos fundos a bancos, mas estes os emprestam em ondas de bolhas de crédito mantendo apenas uma parcela insignificante de reservas. Somos forçados a partilhar os nossos dados pessoais, a confiar na sua capacidade de nos protegerem de ladrões que possam esvaziar as nossas contas. [Porém], os seus enormes custos tornam os micro-pagamentos impossíveis.”

Satoshi Nakamoto, criador do Bitcoin, fevereiro de 2009

Conheça a melhor forma de transferir valores já inventada.

Em 3 de janeiro de 2009 foi criada a rede Bitcoin, uma rede global que registra todo o histórico de transações na internet, de forma transparente, permanente e imutável, por meio de uma tecnologia chamada de blocos encadeados, ou em inglês “blockchain”.

Qualquer pessoa pode participar, sem a necessidade de abrir uma conta bancária ou de enviar documentação, basta baixar um aplicativo de Carteira (Wallet), como o HandCash e Centbee, para celulares, ou Exodus e ElectrumSV, para computadores.

Existem atualmente 3 principais cadeias, sendo que somente uma segue as ideias originais do Satoshi Nakamoto, criador da moeda:

1) Bitcoin SV – Satoshi’s Vision (BSV), única cadeia do Bitcoin que segue as ideias originais de Satoshi Nakamoto, o criador do Bitcoin, para servir como meio de troca no comércio eletrônico até hoje, aumentando o tamanho dos blocos, atualmente em 2 GB,  e mantendo todos os incentivos econômicos originais da rede.

Para ser adotado globalmente tenta retirar qualquer limite de tamanho de bloco, possibilitando uma quantidade quase infinita de transações a custo quase zero. Além disso, possui mais de 1000 patentes exclusivas e pode se tornar uma forma de banco de dados permanente e universal para a internet, a Metanet.

Sua filosofia é a de que:

“A natureza do Bitcoin é tal que, uma vez que a versão 0.1 foi lançada, o design principal foi gravado em pedra pelo resto de sua vida útil.”

Satoshi Nakamoto, criador do Bitcoin, junho de 2010

2) Bitcoin Cash (BCH), seguiu as ideias originais do Satoshi Nakamoto até novembro de 2018, quando resolveu congelar o tamanho dos blocos em 32 MB e alterar os incentivos econômicos originais da rede, com a implantação de check points pelas exchanges, subsídios como o DSV e criar uma ordem canônica para as transações, sendo que a ordem das transações originalmente é designada pelos mineradores.

Para ser adotado globalmente tenta aumentar a privacidade e combater governos e bancos centrais, focando em um público anarco-capitalista.

3) Bitcoin Core (BTC), que alterou os incentivos econômicos originais da rede, limitando o tamanho dos blocos a 1 MB, menos que um floppy disk dos anos 80, causando picos de instabilidade ao sistema e de custos por transação. Alguns usuários defendem essa cadeia por considerarem o Bitcoin um item restrito a pessoas mais ricas, e que ele não deve ser utilizado para o comércio eletrônico, somente como uma forma de poupança.

Seguiu as ideias originais do Satoshi Nakamoto até agosto de 2017, quando alterou princípios econômicos do sistema de assinatura digitais do protocolo, além de limitar para sempre o tamanho dos blocos em 1 MB.

Para ser adotado globalmente tenta implantar a Lightning Network (LN), uma rede paralela ao blockchain, com transações mais baratas, porém por um sistema muito mais complicado e que há 5 anos vem divulgando que faltam somente 18 meses até a implantação final da LN.